Ditados Populares

 

A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

 

  • Tal pai, tal filho.

  • Tantas vezes vai o cântaro à fonte que lá deixa a asa.

  • Tantas vezes vai o cão ao moinho que um dia deixa lá o focinho.

  • Tantos dias de geada terá Maio, quantos Fevereiro teve de nevoeiro.

  • Tão ladrão é o que vai à horta como o que fica à porta.

  • Temos cinco dedos na mão e nenhum é igual.

  • Tempo é dinheiro.

  • Tenda é preciso quem a entenda, senão que a venda.

  • Ter os filhos é dor, mas criá-los é amor.

  • Todo o burro come palha, a questão é saber dar-lha.

  • Todos falam e murmuram, ninguém olha para si.

  • Todos os caminhos vão dar a Roma.

  • Todos os conselhos tomarás, só o teu não deixarás.

  • Todos os dias galinha, enfastia a cozinha.

  • Toma em rapaz bom caminho, segui-lo-ás em velhinho.

  • Trabalhar para aquecer, é melhor de frio morrer.

  • Trabalho feito não mete pressa.

  • Trabalho feito, nunca azedou.

  • Trazer o rei na barriga.

  • Três coisas destroem o homem: muito falar e pouco saber; muito gastar e pouco ter, muito presumir e pouco saber.

  • Três, foi a conta que Deus fez.

  • Tristezas não pagam dívidas.

  • Trovão do Larouco, todo é pouco.

  • Trovoada em Agosto, abundância de uvas e mosto.

  • Tudo em Novembro guardado: ou em casa ou enterrado.

  • Tudo o que arde cura e o que aperta segura.

 

Home