Ditados Populares

 

A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

 

  • Maçã podre perde as outras.

  • Maio frio e Junho quente, bom pão, vinho valente.

  • Maio molha, Maio enxuga; Maio da boa ventura.

  • Mais dano faz a língua que o braço.

  • Mais depressa se apanha um mentiroso que um coxo.

  • Mais fere a palavra que a faca afiada.

  • Mais vale andar cem anos à volta, do que nunca chegar a casa.

  • Mais vale andar neste mundo de muletas, que no outro em carretas.

  • Mais vale andar só do que mal acompanhado.

  • Mais vale prevenir que remediar.

  • Mais vale quebrar que torcer.

  • Mais vale quem Deus ajuda, do que quem muito madruga.

  • Mais vale ser invejado que lastimado.

  • Mais vale tarde que nunca.

  • Mais vale um pássaro na mão que dois a voar.

  • Mal haja quem de mim mal diz, mais quem mo traz ao nariz.

  • Mal rogam ao lobo, quando bem lhe corre a vida.

  • Mal vai Portugal, se não há três cheias antes do Natal.

  • Mãos que não dais, por que esperais?

  • Março, marçagão, de manhã cara de cão, à tarde enxame de abelha, à noite berra a ovelha.

  • Março, marçagão, de manhã cara de cão, ao meio-dia de rainha e à noite de fuinha.

  • Março, marçagão, de manhã Inverno, à tarde Verão.

  • Maria das hortas, quem tem língua tem costas.

  • Mau é por todo o Abril ver o céu a descobrir.

  • Melhor sabe descansar, depois de muito trabalhar.

  • Menino que não bole, ou é tolo, ou não pode.

  • Mente quem dá com a língua nos dentes.

  • Mentiroso que mente uma vez mente sempre, ainda que fale verdade todos lhe dizem que mente.

  • Merenda comida, companhia desfeita.

  • Merendas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém.

  • Mês de Maio, mês da boa ventura, ainda não é bem manhã e já é noite escura.

  • Meu rico S. Miguel das uvas, tanto me tardas e tão pouco duras.

  • Moça nova rezadeira, mulher velha dançadeira e um homem muito cortês; não sei quem é que os fez.

  • Mocidade ociosa, velhice trabalhosa.

  • Morcego à noitinha bom tempo adivinha.

  • Morra Marta, mas morra farta.

  • Morrer por morrer, morra o meu pai que é mais velho.

  • Morreu o bicho, acabou-se a peçonha.

  • Mortos à cova, vivos à mesa.

  • Mosca impertinente, chuva sente.

  • Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades.

  • Muita parra, pouca uva.

  • Muitas cabeças, muitos conselhos.

  • Muitas vezes se despreza de perto, o que se admira de longe.

  • Muitas vezes se perde por preguiça, o que se ganha por justiça.

  • Muito come o burro, mais burro é quem lho dá.

  • Muito e bem, há pouco quem. Pouco e mal é um geral.

  • Muito riso, pouco siso.

  • Muito tens, muito vales, nada tens, nada vales.

  • Muitos améns, não levam ninguém ao céu.

  • Mulher casada tem sempre que fazer.

  • Mulher doente é mulher p'ra sempre.

  • Mulher que não come à hora com o seu marido, ou espera comer, ou já tem comido.

  • Mulher séria não tem ouvidos.

  • Mulheres, mulas e muletas, escrevem-se todas com as mesmas letras.

 

Home