Anedotas

 

 

Toda a gente gosta de anedotas. Nós também!!

Procuramos recolher aqui algumas das que consideramos mais engraçadas.

Gostaríamos de enfatizar que

Todas as referências a ETNIAS, CREDOS, NACIONALIDADES ou quaisquer outros grupos, minoritários ou não, têm por objectivo a reprodução da anedota, tal e qual o original, com o fim a que, em princípio, se destina - o puro divertimento - e não possui, neste espaço, qualquer carácter RACISTA, XENÓFOBO, ou de qualquer outra forma desrespeitoso para o grupo visado.
Assim, todas as anedotas estão reproduzidas como são contadas na sociedade em geral e não representam, em aspecto algum, a ideologia dos donos do site.

 

Dito isto, leiam e divirtam-se!!

 

Um caracol ia a atravessar a estrada e foi atropelado por uma tartaruga.
Quando acordou nas urgências do hospital perguntaram-lhe o que é que lhe tinha acontecido:
- Como é que quer que eu saiba?! Foi tudo tão depressa!



Um homem comprou um papagaio, mas, quando chegou a casa, teve uma decepção! O papagaio resmungava, reclamava e praguejava o dia inteiro. O dono tentou amansar o papagaio lendo poesia, tocando música clássica, mas nada conseguiu. Passou a gritar, bater, ameaçar, mas o papagaio ficava cada vez pior. Num momento de fúria, o dono pegou no papagaio e atirou-o para dentro do congelador. O papagaio começou a praguejar de tudo e mais alguma coisa, mas, subitamente, menos de 20 segundos depois, calou-se sem terminar o ultimo palavrão. Pensando ter matado o papagaio, o dono abriu o congelador e o papagaio começou o seu discurso:

- Sei que o meu linguajar tem sido mais do que inapropriado neste ambiente familiar e que a minha atitude não condiz com a atenção que o senhor me tem dispensado. Gostaria de apresentar as minhas sinceras desculpas e afirmar que, daqui em diante, portar-me-ei adequadamente...

Surpreso com o resultado, o dono ia perguntar o que havia feito o papagaio mudar de ideia quando o papagaio, quase em lágrimas, perguntou:

- Só por curiosidade: o que foi que o frango fez?



Estavam três ratos num bar, de um bairro bastante degradado, a vangloriarem-se dos seus feitos. Diz o primeiro:

- Eu quando vejo uma ratoeira, subo para cima dela, deito-me de costas, dou um pontapé na barra e agarro-a com os dentes. Depois ainda faço 100 flexões com ela.

O segundo rato diz:

- Eu quando vejo veneno, tento juntar o máximo, levo-o para casa e no dia seguinte, tomo-o com o pequeno-almoço, p’ra poder andar porreiro o resto do dia.

Nisto, o primeiro e segundo rato começam a olhar para o terceiro, que diz:

- Eu não tenho tempo para ouvir as vossas tretas... tenho que ir para casa enrabar o gato.



 

Home